Solidariedade: França vs Síria

worldboy

 

Temos hoje de ser cautelosos com a solidariedade que demonstramos e sentimos.
O melhor, aliás, é guardá-la para nós, para não sermos mal interpretados e para não nos sentirmos uns autênticos miseráveis, insensíveis e burros.
Li uma crónica num jornal qualquer, a mostrar-me isso mesmo,  como sou uma besta por me ter mostrado sensível perante os trágicos acontecimentos em Paris. Fala-se em “solidariedade estética” e “selectiva” e em “como são cínicas as pessoas que estão para aí todas condoídas com França mas não falam no Líbano ou na Síria”.

Piquei-me,  confesso. E pensei: realmente sou uma besta criteriosa a escolher tragédias para me associar.
Depois, pensei melhor e percebi que isto não é um concurso para ver quem é o mais solidário ou o mais sensível.  Isto é a vida,  o nosso Mundo e são os nossos sentimentos.  E ninguém,  muito menos um tipo qualquer que escreve uma crónica num jornal,  me pode julgar, do alto do seu moralismo selectivo. É que, ironia das ironias,  ao julgar a solidariedade e forma como as pessoas a demonstraram perante os franceses, os sírios, ou os libaneses não se está já a subverter a própria solidariedade?

A panóplia de disparates que leio acerca disto, faz-me parecer que é como se uma pessoa fosse ali ao mercado das desgraças e escolhesse, de entre as várias possíveis, aquela a que se quer associar…

Lamento, não sou pela Síria, nem pelo Líbano e nem pela França. Não concordo com a política do “olho por olho” e não me identifico com com nenhum líder destes países. Sou pelas pessoas que estão nesses países, pelas vidas que se ceifaram estupidamente. Vidas iguais, com o mesmo valor e que me merecem a mesma solidariedade.

Agora, é indesmentível e aqui pecadora me confesso, nem todas as tragédias me tocam da mesma maneira. Sou humana, sinto o que sinto. Lamento, mas não tenho explicação nenhuma especial para isso e nem me sinto culpada por isso. Não tenho uma balança de tragédias onde equilibrar os meus sentimentos relativamente a todas.

Lembro-me que chorei com o tsunami na Tailândia em 2004 e o sismo no Haiti em 2010, senti a dor dos tailandeses e haitianos.

E sim, chorei com os ataques a Nova Iorque em 2001 (o que hoje, também é, de certa forma vergonhoso, porque parece que na bolsa que cota os valores das vidas, as americanas estão mal cotadas…)

E levei um murro no estômago quando fecharam as fronteiras na Hungria aos refugiados sírios, fazendo-me lembrar imagens dantescas da segunda guerra mundial.

Não sou daquelas pessoas que “papa” tudo o que os mídia deitam cá para fora sem questionar, pelo contrário, questiono tudo. Acho sempre que nos estão a impingir verdades absolutas e moldar-nos a opinião.

b1185b

Quanto aos últimos acontecimentos tenho só quatro certezas: há interesses que desconhecemos por detrás do estado islâmico; há interesses que desconhecemos escondidos nestes ataques terroristas; há interesses escondidos nas teorias da conspiração que vão aparecendo (o que sabemos é uma pequena parte de tudo); centenas de pessoas, como nós, morreram enquanto faziam a sua vida, em França, no Líbano, numa esplanada, no caminho para casa, a ir buscar um filho, a ver um concerto, a dar uma volta, a ir trabalhar…

Perante isto, julgar o objecto da solidariedade, a medida da solidariedade de cada um é, também, um acto demonstrativo de quão desfigurada está a humanidade.

img_8701-564x564

P.

 

Imagem daqui, daqui e daqui

 

Anúncios

2 thoughts on “Solidariedade: França vs Síria

  1. Miss IT

    O julgamento de solidariedade nesta situação faz-me lembrar as críticas que se fazem quando alguém doa a uma determinada instituição.

    Eu doo regularmente dinheiro a instituições de ajuda a animais, e sempre que falo disso há sempre alguém que pergunta “ENTÃO E AS PESSOAS?!”. Olha porra, não chega o meu dinheiro para doar para tudo, e sinto-me mais próxima dessas causas.

    Os ataques na França tocaram-nos mais por serem mais próximos, não necessariamente geograficamente, de nós. Se fosse um ataque numa cidade nossa, tocar-nos-ia mais. Não diminui a tragédia que aconteceu no Líbano em forma alguma, tal como não diminui todo o sofrimento que há no mundo inteiro de forma diária.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s