Nos 30 e desempregada: a saga do subsídio.

1. Recebo, 3 meses depois, a notificação da decisão referente ao requerimento que apresentei solicitando a revisão da decisão anterior de indeferimento do meu subsidio de cessação de actividade. A minha argumentação baseou-se na constatação da injustiça da situação – se se faz um estágio profissional de 12 meses tem-se direito a subsídio de desemprego por mais de um ano, não é justo que um trabalhador que sempre trabalhou por conta de outrem e a dada altura é forçado  a trabalhar a falsos recibos verdes durante x anos, pagando sempre as suas contribuições, não tenha direito a nada. A decisão foi favorável e deferiram o meu pedido. Iei!

yyyyyy.gif

2. Continuando a ler a notificação, chego ao valor diário atribuído. Vejamos a coisa assim, se eu fumasse, dava para um maço de tabaco, dois cafés e um jornal por dia. F#$%-@*, eu vi logo que a esmola era muita. Mas paciência…é melhor que nada e vai ajudar bastante.

63577015863915772731206954_635735325429788202120562036_help me im poor discounts.gif

3. A notificação tem data de há mais de um mês. Estranho…já devia ter recebido alguma coisa entretanto, costumam ser rápidos a pagar estas coisas. Vou à página da SS Directa ver se tem alguma informação ou pedido pendente e leio no estado “pedido deferido, suspenso por falta de obrigações contributivas”. Mas que raio?! Eu paguei sempre tudo. Confirmo nos movimentos que tenho os meses todos pagos, saldo 0, tudo OK.

bsi.gif

4. Dia seguinte, 10h, J. na Segurança Social. Senha 58. Ia na 44. Parecia não estar mau…MAS entre cada senha apareceram pelo menos duas ou três senhas prioritárias, grávidas, idosos, muletas, cadeiras de rodas, tudo…Será que alugam crianças para este efeito? É que me parece que só as trazem para serem atendidos mais depressa…E crianças que sabem mexer melhor em iPhones do que eu, não me parece que devam contar como crianças de colo, mas pronto, eu tenho mau feitio e não estou num dia bom.

when-s-it-my-turn-o

5. Duas horas, muito calor e paciência depois chega a minha vez. A senhora revira os olhos. Eu tento manter o sorriso. A senhora não sabe, tem de ligar para xpto. A senhora desliga o telefone e quase a berrar diz “A MENINA TEM DÍVIDAS, TEM DE AS PAGAR”. Calma J., Inspira…Expira..Inspira…Respondo que não, não tenho, que ainda ontem consultei o extracto e estava tudo ok. A senhora tira o extracto e fica confusa. Vai falar com a colega da tesouraria.

giphy (21).gif

6. Apesar de não aparecer no extracto, tenho de pagar o mês de Abril. Mas eu em Abril não trabalhei…já tinha a actividade fechada e tudo…digo eu, com fé nalgum milagre que me livrasse de ter mais uma coisa para pagar. Mas não, não há cá milagres nem mentirinhas do primeiro de Abril. Como fechei actividade no dia 1 de Abril, tenho de pagar a contribuição à segurança social do mês de Abril, mais juros, claro. “A menina devia saber que se ia ficar desempregada tinha de fechar actividade no mês anterior.” CLARO! PORQUE EU ADIVINHAVA. Eu sou psicóloga, não é astróloga, é psi-có-lo-ga! Não adivinho o futuro!

giphy (22).gif

7. Paguei os 125 euros com muita, muita má vontade. E se eu não tivesse o dinheiro para pagar? Ficava sem o subsídio não era? A senhora encolhe os ombros. Portanto, uma pessoa sem rendimentos tem de ter dinheiro para pagar para receber um mísero subsídio. Faz todo o sentido. Não podiam enviar uma notificação a avisar da falta de pagamento…ou descontar a dívida do valor a receber por exemplo. Não, claro que não.

tH14J0G.jpg

8. Ao mesmo tempo, no guichet ao lado, uma mulher um pouco mais nova que eu, requer um subsídio qualquer. É nova, bonita, tem unhas de gel, madeixas, bronzeada da praia. “Já descontou alguma vez por conta de outrem?” Não. “Já trabalhou por conta própria?” Não. “Tem algum rendimento fruto de heranças?” Não. “É casada?” Não. Então ok, tem condições para o subsídio. Abro a boca, fecho a boca. Engulo em seco.

giphy (26).gif

9. Pergunto quanto tempo vai demorar agora a andarem com o processo. A senhora faz um ar aflito. Os meus olhos abrem-se ao máximo, num esforço para não abrir antes a boca. “Ah…isso não sei…depende…pode ser uns dias, umas semanas…” Uns dias ou umas semanas?! Então eu tenho de pagar, NA HORA, a dívida que me arranjaram para eu pagar e nem um prazo de resolução me pode dar?! “Pois, tem razão, é muito chato, eu compreendo…” Chato?! Então uma pessoa que não tem rendimentos ficar indefinidamente à espera do apoio que lhe foi atribuído, tendo tudo regularizado, é chato? Posso dizer isso à EDP? Olhe eu queria pagar a conta deste mês mas não tenho dinheiro, eu compreendo que seja chato para vocês.

giphy (24).gif

10. O melhor que consegui foi dizerem-me para lá ir de novo na sexta feira, depois do pagamento entrar “no sistema”, e tentarem ligar para alguém de algum sítio para tentar resolver a situação mais depressa. Deus dai-me paciência, porque se me dais força eu ainda parto qualquer coisa.

giphy (25).gif

J.

Gifs daqui.

 

Anúncios

One thought on “Nos 30 e desempregada: a saga do subsídio.

  1. Pingback: Nos 30 e desempregada: a saga do subsídio (2) – Os 30 e Eu

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s